quinta-feira, 1 de novembro de 2012

[De]solação




Calo-me
dependurada
sustenida
por um bem
mal dito
[Des] afino
por um coma
sem dividir
meu ritmo
[Des] compasso
e perco o rumo
melódico
nessa tarde
de silêncios
e sem
sol [fejos]

8 comentários:

R. Vieira disse...

"Nestas tarde
de silêncios
e sem
sol [fejos]"

Poemaço, permita-me!
notas altas e bem encaixadas!
Gosto demais!

Leonardo B. disse...


[e a melodia
desfaz-se noite,

não é mais dia.]

um imenso abraço,

Lb

Amanda Lemos disse...

Muito interessante o Blog !
Muito difícil encontrar na “ blogosfera “ espaços originais e bacanas como este !

Deixo aqui meu espaço, caso queria dar uma olhada, seguir...

http://www.bolgdoano.blogspot.com.br/

Muito Obrigada, desde já !

Bípede Falante disse...

descompasso para não cair!

belo ritmo, tocante ideia.

beijoss

Lourdinha Vilela disse...

Sonoro poema. Encontrou o tom perfeito.
LINDO
BJS.

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Sempre uma melodioso momento de poesia...uma viagem pelas entrelinhas de cada palavra.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Primeira Pessoa disse...

pra quem sabe cantar, um silêncio inventa-se nota musical.

Toninhobira disse...

Como na regencia, a batuta ditando os acordes que as vezes sutilmente falham e logo são cobertos por outros sons.
Beleza de inspiração neste desafino da vida.
Bom lhe ver e ler amiga.
Meu terno abraço.
Bjo.