segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Confusão

imagem do Google



Cada vez mais distante
da sanidade
Meu entendimento
truncado
me aparta da verdade
Sinto me desconectada
da compreensão
do todo e de tudo
Ando surda
muda
e amortecida
de percepção
Não por querer
Por não entender
Apenas
por não entender...

2 comentários:

Mário Lopes disse...

As palavras poderão até ser as mesmas de outras vezes, de tantas vezes dizerem o mesmo terem perdido até o sentido para quem as disse. Este poema não tem palavras difíceis, o seu sentido é evidente. Mas o poeta procura sempre no meio dele coisas novas, algo que o surpreenda. Se nos trouxe este poema, foi porque encontrou no seu fim um princípio. Como se mesmo só colando palavras velhas umas às outras, nada faltasse para nos dizer. É essa a matéria do seu poema. E se vim aqui dizer coisas óbvias, foi porque no lamento que nos deixou encontrei o que não saberia dizer com palavras novas que não sabia que eram velhas, nem com quaisquer outras que tivesse.

Ternamente

Mário Lopes

2miltextos@gmail.com disse...

Não acredito que voltou à minha casa, Mário.
Quanta saudade das suas análises pertinentes e sensíveis e de seu entendimento sobre meus poemas.
Tão feliz!
Obrigada.

Rossana