segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Imagem livre do google

Pensando demais no não estar. Eu ando assim. Pensando.

Na insuficiência de estar viva e na inexplicável razão da existência. Resistência.
Desalentada de tudo, eu ando. Desmesuradamente sem quereres e sem vontades. Desalento.

Quase querendo que o mundo acabe, que tudo acabe. Quase. E com ganas de me morrer em algum estado de desfazer, diluída de tanto que a alegria se ausentou em mim e de todas as coisas que fugiram junto. Enquanto a tristeza sentiu-se em casa, com endereço fixo e tudo. Tristeza em mim.

Paralisada num tempo que se fixa num “beco” entre o tempo da sabedoria e da insensatez, estou e não estou. E não me movimento para lugar nenhum. No aguardo de nada e sem seivas, não almejo. Tão sem vontade... Tão.

Antes, ainda extraia algum prazer da melancolia. Carregava um mórbido “gostar” da tristeza, que entremeava com meus anseios que já hoje me abandonaram. Tudo me tem abandonado. Abandonada.

A diva de mim encarquilhou e a menina de mim está paraplégica. Até o drama pretensioso, que me fazia, de certa forma, intensa, estanquiu-se. Se antes a alternância de sentires, me dava ao menos a possibilidade de momentos distintos, hoje oscilo numa temperatura entre o frio e o mais ou menos frio. Arraigado em mim. O frio.

Divido-me entre o esforço levantar-me para viver e a vontade de deixar para lá. Nem viver. Nem.

Contudo, é necessário se querer viver. É fundamental. Vital? 

Uma família eu tenho. Uma mãe e amigos. Tenho. E um lar para cuidar. Um trabalho eu também tenho. E roupas e alimentos. E gente que precisa de mim.
Só não tenho o experimento de estar viva. Sem gosto, apenas levanto-me todos os dias, e lá vou eu. Por precisão. Eu tenho.

Não que importa se eu gosto ou não do meu trabalho, se eu amo ou não minha família. Não é isso... Apenas que nada mais me arrebata nessa vida. Nada.

Sem motivação e sem encantamentos, nem sinto alegrias em lugar nenhum. Alegrias. Nem pequenas, nem grandes. Não me recordo mais de como era. Alegria.

Tento exercitar pensamentos bons, pois que por instinto de sobrevivência, eu busco sair desse Purgatório. Pensamentos...

Até a ilusão se foi, e sinto-me amarrada a um presente sem futuro, perpetuado numa mesmice envelhecida e desesperadoramente solitária.

A minha falta de vontade é tão, mas tão enorme que quase que se transforma em não estar. Tanto faz. Tudo tanto faz. Tão tanto faz...

Não me encontro em mim. Não estou em lugar nenhum aqui dentro.

Acho que roubaram minha alma.

Que coisa esquisita me tornei. O oposto de um fantasma.

Um corpo sem alma.

20 comentários:

Maria Rita disse...

Quando se fala de tristeza sempre vem aquele conselho do tipo: Vai passar, busque ajuda, é uma fase...

Pois digo-te que nunca li uma descrição tão exata do que muitas vezes tb arremata a minha falta de alma.
Se passa ou não passa não sei, a questão aqui é...descreves-te muito bem!

Beijos pra Ti

Zélia Guardiano disse...

Minha querida amiga Rossana
Você não pode imaginar o quanto identifiquei-me com o seu texto!
Para ser sincera, eu poderia colocar minha assinatura ao lado da sua...
Se não fosse esta abençoada blogosfera, o meu abençoado blog[modesto mas abençoado], os blogs dos amigos , os versinhos que preciso produzir [mais e mais], para postar, não sei como seria...
A despeito de tudo, lindo, lindo o seu escrito!
Lindo demais...
Um abraço bem apertado, para você, todo entremeado com o carinho da
Zélia

Dario B. disse...

Viramos um automato, agimos por impulso. Uma amiga uma vez me descreveu esse estado: - O inferno é um lugar muito gelado, ela disse. Acho que tudo pode se resumir nessa frase, e é indescritivel enquanto dura, mas vc chegou bem proximo disso. Te deixo um abraço.

Mirze Souza disse...

ROSS!

Amiga querida, ponha a culpa na rotina, na falta do "fim do mundo", ponha a culpa em mim e pemse que sem você muita gente não vive. Eu mesma fingirei que vivo sem essa parte que é você.

Beijos, querida!

Mirze

Assis Freitas disse...

o mal estar da civilização, diria Freud


beijo: de corpo e alma

fouad talal disse...

dá-me tua mão menina.

por vezes o vazio também grassa em meu peito e a poesia nada pode, nada.

estou aqui.
beijo meu.

Dilberto L. Rosa disse...

Normal ter tais sentimentos como fases passageiras... Se eles aumentam ao ponto de tornarem-se o cotidiano, e não as fases, melhor procurar ajuda profissional... Senão (e bem mais interessante e barato), recorramos aos bons livros esquecidos da estante e mergulhemos neles... Ou saiamos correndo até o por-do-sol mais próximo e liguemos para alguém querido nessa hora... Senão, vejamos um bom filme numa sala vazia de Cinema... Senão, corramos em direção à poesia: essa é fiel e nunca falha! Na última das hipóteses, morramos! Mas acordemos melhores no dia seguinte, pelo amor de Deus... Beijo grande!

Mimo Chic disse...

"...Sem motivação e sem encantamentos, nem sinto alegrias em lugar nenhum. Alegrias. Nem pequenas, nem grandes. Não me recordo mais de como era. Alegria.

Tento exercitar pensamentos bons, pois que por instinto de sobrevivência, eu busco sair desse Purgatório. Pensamentos...
somos todos da mesma forma, passamos por momentos semelhantes, alias acredito que é o que nos fortelece.
bjs
Lulu & Sol

Amiga do Cafa disse...

Rossana....
identifiquei-me com o texto.
Acho que roubaram minha alma também.
Está escondida em algum canto do armário...
Talvez seja amadurecimento...sei lá !
Vai saber.
Parabéns pela sua capacidade de comunicação.

Beijos !!

MariaIvone disse...

Amiga, me dê o braço, vamos conversar. Talvez nem seja preciso, apenas lhe quero dizer que estou aqui, te gosto muito, te admiro e como sou bem mais velhota te posso mimar.

Mil beijos

Eraldo Paulino disse...

Em primeiro lugar, gostaria de dizer que sou adepto do deixa se virar. E não dou conselhos a não ser que me peçam, mesmo porque odeio conselhos inconvenientes.

Mas posso te dizer que és uma obesa existencial, do tipo que sente falta quando não há muito, que se acostumou com o luxo de um recheio quase infinito de tu mesma, do tipo que passa batom enquanto filosofa sobre o exagero do vermelho ao mesmo tempo que repara no volume da calça do cara.

Eu também tenho vivido dias de nada. Compartilho dessa divisão fácil que tem a não existência para dar a quem queira igualmente. Não posso dizer como está se sentindo, mas também não sinto algum nada.

Bjs que se aproveitam das horas difíceis!

tonhOliveira disse...



"Hoje acordei um pouco mais morto que ontem...
agora morri mais doque imaginava que seria amanhâ!

Sou teimoso,
sempre ressus'cito ou não sito que já morri...
só pra continuar morrendo!"

"i-MUNDissemos imundícies"!

"Já que estás perdida menina ROSS,
de a mão pra menina FILHA, que acharás o caminho da VOLTA!"


be:)os!

:):

Miltextos disse...

Alma tem sido um tema recorrende nos meus pensamentos, desde que assisti Clarice Niskier em "A Alma Imoral", peça que recomendo sem medo. Aliás, assisti duas vezes - essa é uma vantagem do teatro, não dá pra comprar dvd pirata, tem que ir mesmo...

Voltando à alma, tenha calma. É uma letrinha a mais, mas faz tanta diferença...

Desengavetados disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Desengavetados disse...

Fala pra mim se isso que li, não é auto confissão!? Não vem com esse papo de que o poeta é fingidor! rs
Eu estava com saudades de vc. Dessa sua clareza de ideias, de te ler. Mas nunca te vi tão refletida no espelho das palavras.
Olha como isso é forte, assim eu devovo a vc pra que pense no que escreveu: "A diva de mim encarquilhou e a menina de mim está paraplégica."
Nossa, me assustei. Mas me vi tb nessa frase.
To voltando...passei pra dizer que o desengavetados sofrerá mudanças...Tudo tem sido breve.
Andréa de Azevedo.

Stella Tavares disse...

Rossana, quem nunca passou por tempos assim? Não diria momentos porque eles nos parecem eternos. Sensação de corpo sem alma é terrível, conheço intimamente esta sensação, mas te digo baseado na mais pura experiência, quando conseguimos ultrapassar este tempo parece que saímos vacinados, vamos ficando cada vez mais fortes e à prova de corpo vazio.
bjs

Valter Montani disse...

Minha querida, passei para lhe desejar um bom fim de semana, bjs

"O amor é como o ar,
a gente não enxerga, porém sente.
Quanto mais puro,
mais bem estar nos proporciona.
A falta dele, nos sufoca a alma...
e leva à morte em vida”


©Valter Montani

MariaIvone disse...

Amiga, voltei para te ver e li todos os comentários, todos dizem o mesmo todos se completam, mas o que me pareceu melhor te definir foi o do Eraldo Paulino: Tu és isso mesmo. Assino por baixo.

Mimos

Batom e poesias disse...

Maria Rita,
Grata surpresa sua visita.
Eu agradeço o carinho e o elogio
Bj

Zélia, minha querida
Recebo seu abraço com carinho e alento por compartilharmos nossas emoções, nessa abençoada blogosfera que exorciza nossos demônios.
Bj

Dario,
Eu agradeço o comentário e o abraço que recebo com carinho.
Bj

Mirze, minha amada
Eu fingirei que entendi...rss
Mas adorei.
Bj

Assis
Freud tinha lá seus momentos de sabedoria...rss
Beijos recebidos e outros enviados

Fouad
Que bom que está...
Que bom que alguém está.
Bj

Dilberto,
Existe saída, sim.
Várias, eu diria, mas acho que só sei escrever assim...
Eu acho.
Bj

Lu e Sol,
Como diria Gonzaguinha:
Não temo o corte das novas feridas, pois tenho a saúde que aprendi com ávida...
Grata pelo mimo.
Bj

Cel (Amiga do Cafa)
As almas vivem brincando de esconde-esconde...
Uma hora voltam pra casa.
Eu agradeço o elogio, que vindo de você me é muito precioso.
Bj

MariaIvone
“Sei que há léguas a nos separar
tanto mar... tanto mar...”
Mas te sinto perto, querida.
Bj

Eraldo,
"Obesa existencial" é ótimo... rss
É como a música do Djavan:
“Nem que eu bebesse o mar
Encheria o que eu tenho de fundo...”
Bj

tonh0,
Teimosa também...
De pé outra vez.
"Vamo em frente que atrás vem gente"!
:):
Bj

Jorge,
Muita alma nessa hora...
Bj

Andréa,
Estava mesmo com saudades.
Também não acredito muito nesse tal de “eu lírico”, mas exagero um pouco.
Bj

Stella
É por crer nisso que resisto.
Tudo passa.
Feliz por vir.
Bj

Valter,
Que prazer recebê-lo.
Lindas as suas palavras.
Grata
Bj

Maria Ivone,
O Eraldo é muito especial.
Você também.
Te adoro, menina!
Bj

Lara Amaral disse...

Como te entendo, querida do meu core.

Beijo grande, amada.