quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Resto



Não houvera antes
desejos viajantes
Quando os meus versos
eram todos para ti
Incide que hoje
ando desmantelada  
e faltosa de lirismo
Resta-me anódinos
e humanos anseios
disparatados
e fragmentados
Houvera antes um poeta
Resta hoje
fantasmas
da poesia de mim.

17 comentários:

Michele P. disse...

Lirismo comedido. Há dias assim.
No entanto, não deixa de ser belo.


Um abraço e o desejo de uma quinta-feira iluminada,
Michele

Mirze Souza disse...

Linda amiga!

Um poema lírico e triste. Invente um platônico poeta, materialize-o e faça para ele.

O melhor seria fazer para você, que é muito mais importante que qualquer bobâo.

Te adoro!

Beijos

Mirze

Dario B. disse...

Junte os caquinhos e vai ver que no minimo sobram para um hai kai.

Em@ disse...

Rossana,
mais logo os fantasmas vão-se e a poesia (lírica) volta.
de qualquer dos modos, há dias assim, digamos que normais. :))
beijo

Assis Freitas disse...

recomeçar o verso pela palavra afim,


beijo

Zélia Guardiano disse...

"Resta hoje fantasmas da poesia de mim".
Como gostaria de ter escrito este lindo verso, minha querida Rossana...
Posso colocar meu nome, do ladinho do teu?
Poema maravilhoso!
Grande abraço e beijinhos, minha linda

fouad talal disse...

taí!

melhor fazer as pazes com os mortos do que tentar enfrentá-los ou exorcizá-los.

(ando sem tempo moça... sem temp... sem...)

bjos!

Eraldo Paulino disse...

A morte do poeta no poeta é sempre similar à lenda da fenix.

Bjs que fazer ressurgir.

Lara Amaral disse...

A gente sempre se concilia com a poesia, mesmo na aparente morte dela, ou nossa.

Beijo, flor.

Marcantonio disse...

Mas esses anseios disparatados e fragmentados fazem toda a diferença para a poesia! Ela não suporta a coerência das totalidades.

Beijo.

vanessacamposrocha disse...

Rossana,

para mim você é inteira lírica
(você e seus fantasmas!)

beijos

VAna

tonhOliveira disse...



Resto
Recompõe...
Recicle...
siga o Rasto
reencontrará o Rosto do poema!

Não desGHOSTes deles...

Há vela... há luz pra revê-la!

:)

Dilberto L. Rosa disse...

"Restam-me anódinos e humanos anseios disparatados e fragmentados
Houvera antes um poeta. Restam hoje
fantasmas da poesia de mim" - adorei isso! E o lirismo ainda predomina, especialmente quando há um "recado" latente nas entrelinhas paraalguém que ocupava todo o espaço anterior na sua poesia... Sempre bom ler você! Abração, minha cara poetisa dos restos fragmentados geniais!

Mimo Chic disse...

Querida Ro,
me comoveu,
mas foi muito bom.
bjs
Lulu & Sol

Mai disse...

É assim - escrevendo - que exorcisamos os fantasmas.
Bendita poesia, bendito lirismo, Rossana.



P.S.
A vida é esta danação. A gente se perde e se acha depois. Muito bom reler você; aqui e lá.

beijos

Celamar Maione disse...

Ro,
Uau !! Arrasou.
" Resta hoje fantasmas da poesia de mim..."
Nada. A poesia é parte de você.

Pois é....nada ! Eu me escondia no Cafa...risos...Achouuuuuuuu....

Beijos !

Cris de Souza disse...

os fragmentos são um prato cheio pra lírica.

beijo, querida!