sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Atonia

by Chris Lansgstroth

Campeio-lhe
todos os dias
Espreito fotografias
Espio sorrisos
e paisagens
Acalento saudades
imaginárias
de esperas tolas
e virtuais
diluídas pelo seu
desapreço
e deslembrança
de mim
Então me conservo
assim
reservada
e oculta
em solidão abissal
...
Não existe
palavras
que elucide
tamanho vazio.

5 comentários:

Pablo Rocha disse...

Poesia da vida... De momentos que hora ou outra pertence a todos... Bela construção!!

Bjs

Bípede Falante disse...

Perfeito.
Não existem.
Beijoss

solar da literatura disse...

maravilha de blog.
parabens!

Moacir Willmondes disse...

Vazios dentro de nós ressoam ecos que reverberam nossa sensibilidade. Você captou de forma poética e encantadora esses ecos.

Um abraço e uma semana maravilhosa para você!

Enigmático Byjotan disse...

Me revelas, me sinto aí, grudado nisto! Beijo grande de quem te lê e segue.:-BYJOTAN.