sexta-feira, 3 de maio de 2013

Cautela



Ando a exercitar a solidão
por pura precaução
e que não paire
compasso de dúvida
de que todas as canções
terminarão em solo.

5 comentários:

Mateus Medina disse...

Todo mundo, mesmo os que vivem a vida rodeados de gente, terá que encaram o fim sozinho...

Nascemos sós e morremos sós. Talvez por isso busquemos comapanhia por toda a vida.

bjos

António Eduardo Lico disse...

Bela poesia.

Pablo Rocha disse...

Eis que a poesia não te deixou só! Está em vc!

Beijos

Toninho disse...

As vezes nos mergulhamos neste mar, e emergimos num verso,que nos brinda com um poema de pura reflexão.
Muito bom amiga.

Estive ausente em Março e estou de volta amiga e gostei de lhe ver na minha lista de favoritos e sentir que estava parada também.
Uma linda semana a você e não deixe seus versos presos,que nós precisamos de poesia todo dia.

Um carinhoso abraço.
Bjo.

Cris de Souza disse...

Me lembra" enquanto corria a barca... "