terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Explorando...


Pavel Mirchuk 

Cavouco-me as entranhas
e meus estranhos fragmentos
Garimpo reminiscências
e não são rimas que busco
No encalço 
do poema essência
O poema derradeiro
que há de apaziguar
meu corpo inteiro
abrangendo o timo
e incluindo o coração
Mas por conta das lacunas
das cavidades 
e das ausências
da falta de senhas
e da incompetência
embrenho-me sem bússolas
e sem garantia
Perdi-me nos enigmas
e labirintos de mim.

13 comentários:

Tania regina Contreiras disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tania regina Contreiras disse...

Poema derradeiro: será essa a busca de todo poeta? Impossibilidades e ausências transformadas nessa tão íntima beleza! Guardei em mim.

Beijos,

Leonardo B. disse...

[palavra que se pressente sangue, tinta, despojo

do tanto corpo que se guarda,
deixando na palavra enigma que se pressente,
palavra]

um imenso abraço,

Leonardo B.

byTONHO disse...



Por isso "se(s)sentei",
estou esperando-me,
desconfio que não virei mais...
só...mente penso(a) assim.
Perdido em mim.


:o)

MIRZE disse...

Nem pense nisso. Ou se pensar me avise que sangro meu último poema.

Beijos, linda amiga!

Mirze

Bípede Falante disse...

Por falta de senha, a vida às vezes empaca e quero ver quem desdiga rs
beijoss

Dilberto L. Rosa disse...

Pois se ache logo,mulher, que a sua essência precisa muito da sua Poesia! Abraço, sumida!

Celso Mendes disse...

a essência do poeta é a palavra que traduz a alma, talvez perdida entre as cirvunvoluções do hipocampo ou hipotálamo, pouco importa. o que importa é a busca.

belíssimo, Rossana.

beijo.

Lourdinha Vilela disse...

Palavras,palavras... no labirinto e enigmático do ser poeta. Lindo e profundo.

Dilberto L. Rosa disse...

Ainda garimpando reminiscências...?! Devagar, hein... Quase parando... Dizem que o tal Perseu conseguiu sair do labirinto faz um tempo: corre e pega umas dicas com o cara, quem sabe surgem logo novas postagens e belas poesias mais desafiadoras?! Abraço!

Sonhadora disse...

Minha querida

Tantas vezes nos perdemos na labírintica senda da vida...como sempre adorei e deixo um beijinho com carinho.

Sonhadora

byTONHO disse...



PSIU!

Ei! Perdeste-te nos LABIRINTOS?!

"Onde anda a poesia?"

:o)

Anne M. Moor disse...

A busca eterna! Escrever é um caminho interessante...

abraços
Anne