domingo, 28 de julho de 2013

Indubitável

Imagem do google

Impertinentes todos
os poetas
que se apoderam dos
vocábulos absortos
Compondo versos
sem arranjo
ou reverência
Têm preferência
pelos verbos distraídos
Às vezes tão arrogantes
Apaixonados
e apaixonantes
Sempre de tocaia
tentando abocanhar
palavras entretidas
que na língua
vivem dependuradas
por uma linha

imaginária.

6 comentários:

Mirian Lamy disse...

show...isso é saber usar palavras...bjs

Assis Freitas disse...

a tênue linha



beijo

Tania regina Contreiras disse...


Que bom te ler poesia: amo!
beijos,

Mateus Medina disse...

Versos sem arranjo e reverência não são propriamente versos...

bjos

Eraldo Paulino disse...

Sabe...

É um reencontro no qual não quero mais nada. Só batom e abraço.

Você sempre está aqui. Sempre estará.

Alê Freitas disse...

Com exceção de "poetas" e "apaixonados", me vi em tudo nesse poema. Li umas dez vezes, direto, tanto que teve uma hora que li sem querer, como numa prece, "bem aventurados" ao invés de "impertinentes"... Sou seu fã!