quarta-feira, 19 de abril de 2017

Bacada

imagem do google


Meu amor
te acabrunhes não
Viajo derrapando
caio em depressão
ando na contramão
Poderemos
caso queiras
mudar o rumo da estrada
da rua esburacada
da rima pobre
e dessa prosa
espaventada
Eu devolvo os beijos teus
(Aqueles que não me deu)
Só não posso ressarcir a rosa
(Ah... também não foi mimo teu)
E não terás de mim
mais qualquer queixume
Permito-te viver impune
sem precisares assistir
nenhum  desastre meu
até que algum sinistro

se consume...

Um comentário:

Nadine Granad disse...

Belo, belo!...
O não dito, por vezes, diz tanto!...
Vivemos por estradas inseguras...

Beijos =)