segunda-feira, 31 de maio de 2010

O tempo...

Rossana Masiero



Adição de ritos de passagens
ininterruptos
imperceptíveis
Momentos subtraídos
da vida que logrou
Existência do agora
com memória do
que passou
Saudade...

.

26 comentários:

Lara Amaral disse...

Palavras aqui, desvencilhando-se do passado e se aprumando para formar lembranças tão sonoras ao inconsciente.

Lindo!

Beijo.

Geraldo de Barros disse...

tem dias que as nuvens se aninham
umas nas outras e nos olhos chove uma chuva fina - saudade!

beijo,
Ge.

Allyne Araújo disse...

a saudade, sempre ela... lindooo! bjo!!!!

Batom e poesias disse...

Desvencilhar-se é libertar-se.
Seria bom Lara.

Beijos, querida.

Batom e poesias disse...

Gê, seu verso ficou tão bonito que ensolarou o mundo.

Beijo

Batom e poesias disse...

Oi Allyne.
Pois é, menina.
É sempre a danada da saudade...

Bjc

Flávio Morgado disse...

Condensado. Belíssimo!

F.M.

Mirze Souza disse...

Perfecto RITO DE PASSAGEM!

Pura vida!

Parabéns, linda amiga!

Beijos

Mirze

Rodrigo Braga disse...

Saudade e memória são definitivamente coisas diferentes. Só uma lingua com tradição em poesia poderia ter essa palavra tão romântica. Seu poema me faz pensar em o quanto se poderia ser mais forte sem a saudade. Talvez eu não conseguiria ser eu mesmo (o que seria muito cômodo). Parodiando Drummond a vida é "Esquecer para Lembrar".

Avati disse...

Saudade. Amor. Nossa condição de encarcerados nos coloca sempre diante da falta. Já diria mestre McCartney, "live and let die".

Voltarei.

Batom e poesias disse...

Flávio
Que bom que achou bonito.
bj

Batom e poesias disse...

Querida Mirse

Tudo o que diz é muito importante para mim.
Feliz por gostar.

bj

Batom e poesias disse...

Rodrigo,
Verdade. E a definição da palavra "saudade" é tão pessoal...
Gosto quando vem.

bj

Batom e poesias disse...

Volte Avati, pois a partir de hoje você fará falta.
bj

Juan Moravagine Carneiro disse...

Uma espécie de inacabamento antropológico em versos...

abraço

Batom e poesias disse...

O aprendizado só acaba quando a vida termina, Juan.
Os versos também.
Grata por vir.
bjs

Fouad Talal disse...

eu sou o que passou e fui o que será.... (frasinha de efeito mixuruca a la Raul Seixas, mas só pra não perder o diálogo..rs)

Eu sou estou...

Bjoca Ross!

Flavio Ferrari disse...

E eu que ainda me irrito
de passagem
com cada rito ...

Flavio Ferrari disse...

Já falei que adorei a foto nova ?

Batom e poesias disse...

Dialoguemos, Fouad.
Dialoguemos muito...
bj

Batom e poesias disse...

Flavito, o tempo é inexorável.
O barato é passar por tudo com prazer.
bj

Batom e poesias disse...

Não falou, não, Flávio.
:)
bjs

Fred Matos disse...

Ótimo poema, Rossana.
Quanto aos ritos de passagens, importantes e presentes em todas as civilizações, parece-me que estão desaparecendo, ou ganhando novas formas, nos nossos tempos. É um assunto sobre o qual vale refletir.
Beijos

Batom e poesias disse...

Fred,
Quanto mais reflito, mas confusa fico.
Que bom que veio.
bjs

Amiga do Cafa ( Celamar ) disse...

Ro,
sempre fica alguma coisa....
Gosto de nostalgia.
beijo

Batom e poesias disse...

Sempre fica, Cel.
Por isso é doloroso.
bjs