terça-feira, 11 de outubro de 2011

das faltas


Logo eu
que me achava
imune à intempéries
Encontro-me
sujeita à minúcias
melindres e preguiças
Suscetível e refém
de empáfias
fatuidades
e antipatias
Náufraga
da solidão
ando absurdamente
carente
de empatias.

30 comentários:

Domingos Sávio disse...

às vezes os nossos fantasmas
cansam-se dos sótãos

mas [não sabem eles]
a qualquer momento
dentro do baú antigo
um presente
...

Beijo carinhoso.

Celso Mendes disse...

E quem não precisa em empatias, minha amiga? Acho que poetas são os seres mais solitários do planeta, ou ao menos se julgam...rs Adorei o poema, lembrou-me o fantástico "A Bruxa" de Drummond, do qual relembro aqui duas estrofes:

"Nesta cidade do Rio,
de dois milhões de habitantes,
estou sozinho no quarto,
estou sozinho na América.

...

De dois milhões de habitantes!
E nem precisava tanto...
Precisava de um amigo,
desses calados, distantes,
que lêem verso de Horácio
mas secretamente influem
na vida, no amor, na carne.
Estou só, não tenho amigo,
e a essa hora tardia
como procurar amigo?..."

Beijo.

Toninhobira disse...

Entendo esta falta,este vazio,esta vontade de preencher do incabivel.Solidão hermetica, poesia que impera,quando todas as coisas estão vazias.
Aqui fica lindo demais.
Meu abraço de criança feliz amiga.
Bju.

Beth/Lilás disse...

Pois se depender de mim para encher os seus dias, dizendo-lhe que escreves lindamente e que tens alma bonita e leve, já terás toda minha empatia.
Amo suas palavras em poesia!
beijos grandes, cariocas

Eraldo Paulino disse...

Gostaria de ter mais tempo para qualquer coisa que não seja o que tenho feito sempre.

Sinto muito a sua falta, por mais que não acredite.

Bjs no batom!

Berzé disse...

Mas é preciso!:desenhar, pintar, escrever, plantar bananeiras...
Abração!
Berzé

MIRZE disse...

EI, linda amiga!

Estou com o Celso. Empatia, sei que temos. Mas a distância não permite que eu corra e te abrace e vice-versa.

Beijos lindona!

Mirze

Batom e poesias disse...

Uma linda metáfora, Domingos.
Grata por vir.

bj

Batom e poesias disse...

Celso,
Você é generoso, querido.
Grata pelo presente.

bj

Batom e poesias disse...

Poesia é um porto, ainda que pouco seguro, Toninho.

bj

Batom e poesias disse...

Beth, minha linda,
Ando tão em falta com você...
Feliz por vir.

bj

Batom e poesias disse...

Eraldo,
não acredito...
;)

bj

Batom e poesias disse...

Berzé,
♫♪É preciso ter força, é preciso ter raça, é preciso ter gana, sempre...♪♪♫♪

bj

Batom e poesias disse...

Mirze
Eu te abraço em pensamento e com o coração, querida.

bjs

Aline disse...

"À vida falta uma parte
- seria o lado de fora -
pra que se visse passar
ao mesmo tempo que passa

e no final fosse apenas
um tempo de que se acorda
não um sono sem resposta.

à vida falta uma porta"
(ferreira gullar)

é preciso vida!

que bom.

Lai Paiva disse...

E quem não anda assim vez ou outra? Beijo, querida.

Adriana Karnal disse...

Rossana,
essa carência natural da poeta, sem ela não há poesia, sem ela vc não é vc.

byTONHO disse...



"Ô...Raça triste!"

Empatamos!

Cá, ando rente ao só...

:o)

Wania Victoria disse...

Rossana, que cheguem as andorinhas para você fazer verão!



Bj no cuore!

Eraldo Paulino disse...

Não acredita porque é paranoica...

mas até isso em ti eu amo!

Batom e poesias disse...

Aline,
Lindo o poema e feliz com a sua presença.

bjcas

Batom e poesias disse...

Lai, somos todos sujeitos às intempéries.

Bjcas

Batom e poesias disse...

Adriana,
Você está certíssima!

Que bom que apareceu.
bjs

Batom e poesias disse...

Tonh0. fica assim não...
Vamos dar a volta por cima!


bj

Batom e poesias disse...

Wania

Você é muito querida!
bj♥

Batom e poesias disse...

Eraldo, gostei demais do seu texto no blog da Suzana.

Arrasou!
bjs

Cris de Souza disse...

faz falta ler-te mais...

beijo, rou rou!

Batom e poesias disse...

Minha casa é sua, querida.
Venha mais.

bj

Miltextos disse...

Para empatia, poesia, poesia, poesia...

Batom e poesias disse...

E + poesia...

Bj