sexta-feira, 6 de novembro de 2009

fazendo as contas...



Tenho levado sustos na vida
Calculei mal as expectativas
E a muito custo me refaço
Contabilizei demais os prejuízos
e tenho esquivado a viver o bônus
Contando agora
o bom tempo que me resta
Eu deveria é fazer festa
todo dia
Para celebrar momentos
como o agora
Em que me encontro
viva e respirando
Tenho conforto material
Tenho certa sanidade mental
e algum lenitivo emocional
Tenho saúde e tenho pão
Me falta apenas
uma coisinha
Que impede
um festejo retumbante
Conseguir viver
sem paixão...

32 comentários:

Paradox Doc disse...

A paixão é o que nos move...

Vinicius disse...

Talvez como poetisa, tenha em ti também como mulher - a delicada paixão (tão em ausencia nos dias que correm).

Abraço.

Lara Amaral disse...

Mas seus versos apaixonam. Encontro-me em cada pedaço.

Beijos, querida! Bom fim de semana.

Adriana Karnal disse...

Rossana
Uma poeta que quer viver se paixão?
Ah, mas daí seus versos nãi seriam tão intensos...eu adoro tua poesia visceral...

Mirse Maria disse...

Concordo com Adriana!

São viscerais teus poemas.

Concordo contigo! Deve ser muito bom ter uma paixão, e escrever poemas viscerais sobre essa paixão!

Mas está chegando!

Beijos

Mirse

Marcos disse...

Você faz contabilidade por encomenda, para os amigos? Gostei dos cálculos!
E, minha amiga querida: "viver" e "sem paixão", são termos que se excluem. A gente tem que escolher um deles e bancar a aposta.
E não me pergunte como. Quem descobrir primeiro conta pro outro, rápido!

Mário Lopes disse...

"Conseguir viver sem paixão", para não sofrer depois, não é querida Rossana? Como se a vida não tivesse veias nem sangue nem coração e ela, a paixão, não fosse a única porta aberta para a consumares em toda a sua plenitude.
Uma enorme escritora, Agustina Bessa-Luís, disse: "Todos querem escrever e poucos são os que resistem a isso. Escrever muito parece ser derivante de um padecimento de angústia e de debilidade em viver; ou o modo de evitar paixões, ou saciá-las sem as sofrer".

Um beijo do tamanho do mundo, para ti, poeta da paixão.

Wania disse...

Rossana querida!

Meu livro-caixa está meio parecido com o teu... rsrsrs! Viver sem paixão é como "fazer uma aplicação" e não aproveitar os juros... prefiro viver no Vermelho!!!!

O bom é que estás só fazendo as contas, para o balancete ainda falta muito até lá muitas mudanças no mercado financeiro te aguardam... rsrs!

Desculpe a brincadeirinha, tua poesia é linda, sempre! Esta contabilidade poética me diz muito e me diz fundo! Gosto muuuuuito de te ler!

Bjão, Amiga!

tonhOliveira disse...



Sem paixão?
Sem pai, não há chão...

Há que ter!

Bjs!

Batom e poesias disse...

Então está explicado porque ando tão paralisada, Paradox.
bjs

Batom e poesias disse...

Talvez tenha, e talvez falte, Vinícius.
Sei lá...
bjs

Batom e poesias disse...

Larinha, nós e nossa compreensão recíproca...
É bom!
bjcas

Flavio Ferrari disse...

Foi por isso que o Ricardo lançou a campanha por um mundo VIP lá no Vestiário ...
Bjs

Batom e poesias disse...

Adriana,
Querer eu não quero não...
Mas há que sobreviver.
bjs

Batom e poesias disse...

Que chegue, então, amiga Mirse.
Pois é tão difícil não sentir nada...

A poesia fica manca...rss

bjs

Batom e poesias disse...

Sou uma contadora de "araque", Marcos.
Queria descobrir o segredo de viver feliz e juro que será o primeiro a saber se eu descobrir.

Um beijão!

Batom e poesias disse...

Mário,
Eu adorei a frase de Agustina.

Tudo a ver com o que sinto, mas também há que lembrar que "o poeta é um fingidor e finge tão completamente, que chega a fingir que é dor, a dor que deveras sente..."

Um beijo no coração

Batom e poesias disse...

Adorei a "brincadeirinha" Wania. Mostra que entendeu direitinho o espíritoda coisa, o que me faz muito feliz.

Torcendo para que o "mercado" mude e o balancete final fique no lucro.

Beijos, querida.

Batom e poesias disse...

Seus "trocadalhos" são do "carilho", TonhO, querido.

Sem chão e sem paixão, não dá...

Beijos no coração.

Batom e poesias disse...

Vou lá ver, Flavito.
Espero que não me tire do bom caminho...rss

besos

j. monge disse...

às vezes era mais fácil meter a paixão numa gaveta... o pior era a pergunta que nos assaltava: "onde será que meti a porcaria da caneta?"

beijo, poeta!

BAR DO BARDO disse...

Há de ser no fim azul!

Beijo, Ross!

Batom e poesias disse...

A porcaria da caneta se esconde junto com a paixão, João...
Eu preciso separar uma da outra, pra continuar escrevendo.

Beijos poeta

Batom e poesias disse...

Que seja Prof.
Grata por vir.

bjs

lírica disse...

Triste, mas bonito.
bj
Lírica

Batom e poesias disse...

Lírica
Que bom que achou bonito, apesar de triste...
Grata por vir.
bjs

JuLᶖaƝ@ CArL@ disse...

Bom dia Rossana

Quantas vezes vivemos a água da vida sob o cerco de um copo. Não sabemos a imensidão do oceano que nos cerca de vitorias... E próximas vitorias... As falhas também são... Quem lhe ajudará a levantar amanha?

Bjuxxx e xerooo

Zenilda Lua disse...

Não se vive sem paixão minha MUSA!
Especialmente quando se tem na alma
um baú adocicado pela amorosidade,
como você!


Beijos
Palmas e Bis

Batom e poesias disse...

Juliana,
Gostaria que a paixão pela vida me levantasse de manhã.
Grata por vir, querida.
bjs

Batom e poesias disse...

Zenilda, minha poeta enluarada

Se você encontrar um pouquinho sobrando nesse baú, ma empresta...

Saudades
bjs

Marcia Carneiro disse...

Tua poesia tem muita vida pra acordar de manhã!!!! Se sente isso...

Batom e poesias disse...

Deus te ouça, Marcia.
bjs