quinta-feira, 26 de março de 2009

Que mais?

Sei que ultrapasso limites
Violento a ética
 Ofendo princípios
Arrombo os cofres
Exponho segredos
Surrupio senhas
Eu quebro regras
Na estética das palavras
Na decência dos atos
Invado privacidade
Esqueço preliminares
Ignoro a delicadeza
Que mais mereço
a não ser a prisão perpétua
da solidão?

7 comentários:

glória disse...

as palavras-poema aqui provocam estilhaços. enunciam precipitações, invasões precipitadas, arroubos fora de de foco. por outro lado, as palavras aqui atiradas sào cruas e nuas, dores de passagem. rompem os ferros da solidão. belo, tào belo que prenuncia precipícios para quem lê. bjs

Fran carvalho disse...

Palavras fortes...
Gostei da sua casa.
Apareça na minha!
francarvalho13.blogspot.com

Rosa Magalhães disse...

Eu te condenaria à prisão perpétua da poesia!!! Que tal?? Adorei sua visita, volte mais vezes. Beijos!

www.blogdaoda.blogspot.com

Amiga do Cafa disse...

Poesia forte !
Intensa.
Marcante.
De vez em quando, um desatino ou outro, faz bem.
Gostei e muito !
Bom final de semana.

André disse...

Ultrapassar os limites é bom.
É puro.

André disse...

Obrigado pela visita... Ainda bem que me entendeu,fico feliz por isso, normalmente nunca ninguém sente como eu.
Trate-me por tu.

j. monge disse...

Fiquei sem palavras...
Beijo!