sábado, 5 de fevereiro de 2011

solidão

Imagem do google

Quando desapareces
meu amor
eu fico tensa
Torno-me densa
inflexível e monocromática
Fico atônita
estúpida e estática
uma criança abandonada
e combalida
Menos que metade
de tão ínfima
tônica e grave de tão triste
Abarrotada de auto piedade
e do desgosto mais crônico
que existe
Saio do sério
intolerante e insuportável  
despojada de mim
alma no breu
Não há lua
não há sol
nem claridade
Na verdade não há nada
Só a mais sombria realidade
de que sem você
nem resta eu. 

Colaboração do meu amigo Grã que dialoga comigo nesse poema, e que compartilho, pois gostei muito...

Quando desapareces
meu amar
fica sem tema,
O horizonte
se apequena,
Sobreviver
vira um problema.


Quando, meu amor, vira-se e some
minha ousadia se/me consome
minha alegria, que tem seu nome,
perde o endereço, torna-se fome,
tona-me um avesso, torno-me espesso,
sobram-me as horas, meus dias somem.
volto ao que era: sou só um homem.




23 comentários:

Solange disse...

é a solidão deixando turvos os teus olhos... amanhã verá que tudo está lá, lua, sol claridade, você...

lindo e triste...

beijo carinhoso

Mirze Souza disse...

ROSS!

A solidão, quando se sente, é assim mesmo. Você a descreveu apaixonadamente. Mas ele volta, seu amor, e então a comemoração será muito mais valiosa que a dor.

Beijos, linda amiga!

Mirze

Maria Rita disse...

Essa roda gigante que faz da vida inconstante demais para sermos só felizes e só tristes, somos um pouco de tudo e tudo de um pouco.

Sempre é muito bom vir aqui!

Beijos pra Ti

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) disse...

Rossana,
Solidão sempre é bom, mas nem sempre...

Uma multidão de abraços pra ti,
Pedro Ramúcio.

Dilberto L. Rosa disse...

Retumbante... Ouvir isso da amada é uma responsabilidade mais que dadivosa e bela... Belas comparações... Abração!

P.S.: Quanto à HQ, não entendi ("ligação"?!) - bastava mencionar no próprio 'comment' teu o que havias achado... Enfim, bom que tenhas lido!

Thaise disse...

Lindo canto. Tudo de muito bom gosto. Sigo!:*

Grã disse...

Espero que não se ofenda, pois sempre original e bela, sua ideia entremeia minhas frases, e sua, pretensa, presença me inspira.

Bj

Quando desapareces
meu amar
fica sem tema,
o horizonte
se apequena,
sobreviver
vira um problema.

Quando, meu amor, vira-se e some
minha ousadia se/me consome
minha alegria, que tem seu nome,
perde o endereço, torna-se fome,
tona-me um avesso, torno-me espesso,
sobram-me as horas, meus dias somem.
volto ao que era: sou só um homem.

Batom e poesias disse...

Sol, tudo é tão passageiro...
Que bom que veio.
bjs

Batom e poesias disse...

Mirze,
É só manha...rss
bjs, minha querida.

Batom e poesias disse...

Fico feliz que venha Maria Rita.
Sua cumplicidade me deixa feliz.
bj

Batom e poesias disse...

Grata pela presença e pela multidão de abraços, Pedro.
bjs

Batom e poesias disse...

Grata, Dilberto.
Tá bom vá! Eu vi e gostei muito das sua HQ.
bjs

Batom e poesias disse...

Bem vinda Thaise.
Que bom que gostou.
bjs

Batom e poesias disse...

Grã,
Não me ofendo. Muito pelo contrário, eu gostei muito.
Postei em baixo do meu poema.

Grata.
bjcas

Adriana Karnal disse...

adoro esses diálogos. A poesia tem língua doce, conversa com poetas.lindíssimo.

Lara Amaral disse...

Lindos poemas os de vcs dois!

Beijo, Amada!

Batom e poesias disse...

Adriana!
Que bons ventos a trazem!

Feliz com sua presença.
bjcas

Batom e poesias disse...

Larinha

Sempre querida.
bjs

Wania disse...

Rossana

Ahhh, esta incompletude... quando não mata, fere!



E a poesia... sempre se completando!
Lindo demais, parabéns ao dois!

Bjssss

Wania disse...

Rossana

Ahhh, esta incompletude... quando não mata, fere!



E a poesia... sempre se completando!
Lindo demais, parabéns ao dois!

Bjssss

Tiago disse...

A belezas das coisas está na incompletude.

Descobrindo,
T.

Miltextos disse...

densa...

Batom e poesias disse...

Pensa...
bj